Berlim diz que financiamentos congelados continuam suspensos após Mourão afirmar que pedirá dinheiro a países ricos para proteção florestal.

Para governo alemão, os dois países ainda têm ideias díspares sobre o tema.

O presidente Jair Bolsonaro e a ministra do meio ambiente da Alemanha, Svenja Schulze, em fotos de arquivo.

Depois de episódio a respeito da Amazônia em agosto de 2019, Alemanha descartou liberar dinheiro para a proteção da região no Brasil Sergio Lima/AFP; Odd Andersen/AFP A Alemanha descartou a liberação da verba para a Amazônia suspensa em agosto.

A negativa do governo em Berlim foi divulgada neste sábado (25) pela agência de notícias alemã DPA, depois de o vice-presidente Hamilton Mourão admitir aceitar dinheiro de países ricos para a preservação da região. Um porta-voz da ministra alemã do Meio Ambiente, Svenja Schulze, reiterou que os repasses suspensos ano passado continuam congelados e que, para haver uma retomada, é necessário "que desenvolvamos uma percepção comum sobre o que é necessário nas áreas de proteção climática e de biodiversidade".

Mas, de acordo com a ministra, "estamos ainda muito longe disso". Em razão do aumento dos índices de desmatamento da Amazônia, Schulze anunciou em agosto o congelamento de investimentos de 35 milhões de euros (cerca de 155 milhões de reais), que seriam destinados a diferentes projetos de proteção ambiental no Brasil. "A política do governo brasileiro na Região Amazônica deixa dúvidas se ainda se persegue uma redução consequente das taxas de desmatamento", declarou a ministra, em entrevista publicada em agosto pelo jornal alemão "Der Tagesspiegel".

No dia seguinte, o presidente Jair Bolsonaro desdenhou do dinheiro, afirmando que "o Brasil não precisa disso". Área da floresta amazônica é queimada conforme é desmatada em Rio Pardo (RO), em foto do dia 15 de setembro de 2019 Ricardo Moraes/Reuters Naquele mesmo mês, o governo brasileiro rejeitou oferta de 20 milhões de dólares dos países do G7 (Estados Unidos, França, Reino Unido, Alemanha, Japão, Itália e Canadá) para auxílio no combate às queimadas na Amazônia. "Rejeitou, mas depois eu vou lá com cara de pau e peço", admitiu Hamilton Mourão em entrevista à emissora Globonews nesta quinta-feira (23). Mourão deve chefiar o Conselho da Amazônia, cuja criação foi anunciada nesta semana por Bolsonaro.

O grêmio deverá coordenar ações de diversos ministérios para "proteção, defesa e desenvolvimento sustentável da Amazônia". O Ministério do Meio Ambiente da Alemanha ressaltou que o financiamento suspenso pela pasta não tem relação alguma com o novo conselho criado pelo governo brasileiro.