Decisão de restaurar a ordem ocorreu horas depois de o clérigo populista Moqtada al-Sadr, que conta com milhões de apoiadores em Bagdá e no sul do país, dizer que interromperia seu envolvimento em protestos antigovernamentais.

Manifestantes são vistos entre a fumaça subindo de tendas em chamas enquanto forças de segurança iraquianas atacam na Praça Tahrir durante protestos contra o governo em Bagdá Thaier al-Sudani/Reuters As forças de segurança iraquianas invadiram os principais pontos de protestos de Bagdá neste sábado (25) e tentaram retirar manifestantes em cidades do sul, disparando gás lacrimogêneo e balas, o que levou à morte de quatro pessoas e deixou dezenas de feridos, disseram fontes policiais e médicas. A decisão de acabar com as manifestações e restaurar a ordem ocorreu horas depois de o clérigo populista Moqtada al-Sadr, que conta com milhões de apoiadores em Bagdá e no sul do país, dizer que interromperia seu envolvimento em protestos antigovernamentais. Os seguidores de al-Sadr, que apoiavam os manifestantes antigovernamentais e às vezes desempenhavam o papel de protegê-los contra ataques de forças de segurança e pistoleiros não identificados, começaram a se retirar das manifestações neste sábado, após o anúncio de Sadr. Os confrontos ocorreram depois que as autoridades começaram a remover barreiras de concreto perto da Praça Tahrir, em Bagdá, onde manifestantes antigovernamentais acamparam por meses e atravessaram pelo menos uma ponte principal sobre o rio Tigre na capital, disseram repórteres da Reuters. Os partidários de al-Sadr começaram a deixar os locais de protesto da noite para o dia depois que ele anunciou que não estaria mais envolvido nas manifestações antigovernamentais. Na cidade de Basra, no sul, as forças de segurança invadiram a principal manifestação antigovernamental e foram acionadas para impedir que os manifestantes se reunissem lá novamente, disseram fontes de segurança.

A polícia prendeu pelo menos 16 manifestantes na cidade. Em Bagdá, pelo menos uma pessoa foi morta e mais de 30 ficaram feridas em confrontos entre a polícia e os manifestantes perto da Praça Tahrir.

Outros três morreram e 14 ficaram feridos na cidade de Nassiriya, no sul, quando as forças de segurança assumiram o controle de uma ponte ocupada por dias por manifestantes, disseram fontes de segurança e médicos. As forças de segurança do Iraque usaram gás lacrimogêneo e munição real contra manifestantes desde que a agitação anti-governamental estourou em Bagdá, no dia 1º de outubro.

Mais de 450 pessoas morreram na violência, segundo um relatório da polícia e médicos da Reuters. Manifestante atira bomba de gás lacrimogêneo contra as forças de segurança iraquianas durante protestos contra o governo em Bagdá Thaier al-Sudani/Reuters Meses de manifestações Os manifestantes exigem a remoção do que consideram uma elite dominante iraquiana corrupta e o fim da interferência política estrangeira, especialmente do Irã, que passou a dominar instituições estatais desde a derrubada de Saddam Hussein em uma invasão liderada pelos EUA em 2003. As ações das forças de segurança pareciam ser uma tentativa de eliminar completamente as manifestações antigovernamentais e terminar meses de manifestações pedindo a remoção da elite dominante do Iraque. Os ataques começaram horas depois de al-Sadr dizer que interromperia o envolvimento de seus apoiadores nos distúrbios antigovernamentais. Sadr havia apoiado as demandas dos manifestantes pela remoção de políticos corruptos e pela prestação de serviços e empregos logo após o início das manifestações em outubro, mas não conseguiu chamar todos os seus seguidores para participar. Muitos dos milhões de apoiadores de Sadr, muitas vezes oriundos das favelas de Bagdá, estão envolvidos nos protestos. Os seguidores de Sadr, em um comício na sexta-feira separado dos protestos contra o governo, pediram a remoção das tropas americanas do país.

A marcha se dissipou após várias horas. Sadr escreveu no Twitter na noite de sexta-feira que "tentaria não interferir na questão (dos manifestantes), negativa ou positivamente, para que eles pudessem pastorear o destino do Iraque".

Ele não deu mais detalhes. Em Basra, os manifestantes pediram a Sadr que reconsiderasse o que eles disseram ser uma retirada do apoio às manifestações populares.

Em uma carta circulada nas mídias sociais, eles pediram o apoio dos sadristas, sem os quais temiam ataques das forças de segurança.